ANTECIPAMOS O ARMAGEDON

Como atores ativos ou passivos somos de alguma forma responsáveis por extremas ondas de calor, a sufocante poeira de terra e cinzas trazidas pelo vento, a desertificação, contaminação e morte lenta dos rios. Somos ou estamos loucos, ou ambos?

Sob o título, “O futuro do planeta”, a jornalista Sonia Sengupta, do New York Times, destaca a crescente preocupação sobre o ‘dia seguinte’ da terra, e ressalta: “É tarde demais para reverter os danos causados ao clima da Terra.  Mas não é tarde para imediatamente mudar de curso evitando que as coisas piorem muito”. Esse é o consenso científico apresentado esta manhã aos líderes mundiais pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. É a síntese mais completa da ciência do clima disponível, com base em uma revisão de milhares de trabalhos de pesquisa que avaliam como a combustão de carvão, petróleo e gás alterou o clima da Terra e, com ele, o destino humano.

O relatório não apresenta um futuro previsto, no entanto. Sua descoberta mais importante é que existem vários futuros possíveis

Causas do crescente e escaldante calor

As queimadas praticadas por culturas primitivas de subsistência em diferentes regiões do planeta e as emissões cumulativas de gases de efeito estufa não apenas aqueceram o planeta, mas também o colocaram em curso para piorar muito no próximos 20 anos, de acordo com o relatório.

O painel conclui que a temperatura média global provavelmente aumentará 1,5 grau Celsius, ou 2,7 graus Fahrenheit, acima dos níveis pré-industriais em 2040, e continuará a aquecer por mais 10 anos. Nesse limiar, quase 1 bilhão de pessoas podem enfrentar ondas de calor com risco de vida pelo menos uma vez a cada cinco anos, constata o relatório.

Enfrentaremos mais calor recordista (como no noroeste do Pacífico em julho e no sul da Europa na semana passada); inundações mais frequentes (como na Índia, Alemanha e China); secas mais frequentes (como no oeste dos EUA); e o aumento do nível do mar que ameaçará as cidades costeiras (como em Miami).

Essas mudanças são incorporadas e é imperativo se preparar.

Mas ainda é possível limitar o aquecimento até meados do século e prevenir consequências muito piores, diz o relatório. A 2 graus Celsius de aquecimento, a imagem piora, com explosões mais frequentes de picos de calor. Em 4 graus, o mundo está irreconhecível.

Os autores do relatório mostram cada cenário como se estivessem segurando um par de binóculos para ver a estrada à frente e os caminhos que se ramificam.

Que caminho seguir?

Cabe aos líderes das nações e empresas mais poderosas do mundo, em em cada recanto, determinar o caminho a seguir com uma mudança consciente de atitude. Limitar o aumento da temperatura requer grandes mudanças estruturais na maneira como o mundo produz eletricidade, aquece edifícios, se movimenta e produz alimentos e em particular, como exploramos comercialmente o meio ambiente. Respeitar a vocação econômica da terra é a única solução possível, inteligente e harmonica.

Portanto, a escolha diante desses líderes se resume a esta: eles poderiam seguir políticas que injetassem mais gases que aquecem o planeta na atmosfera e aquecessem ainda mais o planeta. Ou podem substituir os combustíveis fósseis por energia limpa e parar de derrubar as florestas. Tecnologicamente, tudo isso é viável, mas não aconteceu – nem de longe rápido o suficiente – e por isso que estamos nessa situação. O imediatismo irracional e insaciável ganancia somam-se a ausência da razoabilidade básica que permitiria a qualquer ‘humanoide’ livre da ignorância, antever desdobramentos futuros com consequência catastróficas para a humanidade, a curto, medio e longo prazo. 

Os EUA prometeram reduzir suas emissões em cerca de 40% até 2030, em comparação com os níveis de 1990. A União Europeia e a Grã-Bretanha têm metas mais ambiciosas de redução de emissões. E, ao contrário dos EUA, os países europeus transformaram esses compromissos em lei.

A China, que hoje responde por cerca de 30 por cento dos gases de efeito estufa globais, disse apenas que suas emissões atingirão um pico antes de 2030. A Índia, que responde por cerca de 6 por cento hoje, disse que aumentaria drasticamente as fontes de energia renováveis, mas nada sobre quando suas emissões começariam a diminuir.

Este relatório dificilmente é a primeira avaliação detalhada dos riscos climáticos. Os cientistas ofereceram repetidamente esses binóculos e muitos políticos os ignoraram repetidamente. A questão agora é se os cidadãos, tendo visto os riscos de perto, forçarão seus líderes a agir. “Por muito tempo, os legisladores colocaram seus interesses políticos de curto prazo e a ganância das corporações acima das necessidades de seus constituintes”, disse Rachel Cleetus, diretora de política climática da Union of Concerned Scientists.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *