Enquanto a ampulheta existencial exaure-se veloz, a "razão"humana tola, inconsequente, conflituosa e insana, busca pretensiosamente enxergar o invisível, sentir o intangível, realizar o impossível e decifrar o incompreensível. Atrelada a padrões sócio-culturais-religiosos eivados de hipocrisia e contradições, lega um lastro injusto de destruição, dor, vergonha e odor putrefato na breve passagem por esse planeta que algum dia chamou-se Éden.

Samuel Saraiva
Washintgton DC - 31/03/2015